BRASÍLIA

Manchete

FOCO NO EMPREENDEDORISMO – Acordo entre BNDES e Sebrae cria fundo para pequenos negócios

Financiamentos devem alavancar inicialmente cerca de R$ 4,5 bilhões

Publicados

EMPREENDEDORISMO

O Banco Nacional Econômico e Social (BNDES) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) firmam hoje (12) um acordo de cooperação técnica para a criação de um fundo garantidor voltado exclusivamente para operações de crédito envolvendo microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte. Espera-se que diversas instituições financeiras atuem como parceiras da iniciativa. A expectativa é que os financiamentos alavanquem inicialmente cerca de R$ 4,5 bilhões, podendo chegar a até R$ 15 bilhões.

Os fundos garantidores são criados para reduzir o risco das operações de crédito das instituições financeiras. Nomeado de BNDES FGI Sebrae, o novo fundo deve estar disponível em todo o país a partir dezembro de 2022. Conforme o acordo, BNDES e Sebrae irão aportar, a princípio, R$ 150 milhões cada um. Esse valor pode ser ampliado para R$ 500 milhões.

O acordo prevê ainda outros serviços. Microempreendedores individuais e empresários de micro e pequenas empresas poderão receber orientação do Sebrae, por meio do programa Crédito Assistido. A iniciativa envolve acesso a diagnósticos, ferramentas digitais, conteúdos, capacitações e consultorias com o objetivo de reduzir os riscos de inadimplência e ampliar a sustentabilidade financeira dos negócios.

Leia Também:  FOCO NO EMPREENDEDORISMO - Diretora de operações fala da importância do Programa Ricos

Já o BNDES disponibilizará sua plataforma de gestão para operacionalização do novo fundo. Trata-se de um sistema totalmente digital utilizado por dezenas de instituições financeiras parcerias, pelo qual já se viabilizou mais de R$ 100 bilhões em operações de crédito.

Fonte: Agência Brasil/Edição: Paula Laboissière

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

EMPREENDEDORISMO

FOCO NO EMPREENDEDORISMO – Healthtechs cresceram no Brasil e movimentaram R$ 1,79 bilhão em três anos

Publicados

em

Cresceu o número de empresas que visam à saúde financeira da área médica no Brasil. Movimento é impulsionado por uma explosão de novos estabelecimentos e grandes investimentos

O número de healthtechs cresceu 16,11% no Brasil entre os anos de 2019 e 2022, de acordo com dados da Liga Ventures em parceria com a PwC Brasil. Por sua vez, a Startup Scanner, base de startups brasileiras, comprova que, entre março de 2021 e março de 2022, 191 empresas do mercado de saúde, que se divide em três segmentos – prevenção, diagnóstico e tratamento –, foram adicionadas ao sistema. Provavelmente, o boom se deu por conta do avanço da telemedicina, do crescimento das clínicas médicas populares, do alto custo dos planos de saúde, da saturação do SUS e do interesse da população em cuidar mais de sua saúde e bem-estar físico e mental.

 

Por outro lado, outro levantamento da Startup Scanner, uma ferramenta de mapeamento de startups dinâmica e sempre atualizada, mostra que 199 healthtechs encerraram suas atividades no mesmo período. Entre os principais motivos que fazem com que uma empresa feche as portas, sobretudo nos primeiros anos, estão as questões ligadas ao planejamento tributário e à falta de gestão, bem como não saber aplicar corretamente o dinheiro.

Leia Também:  FOCO NOS NEGÓCIOS - Correios lança edital para novas lojas franqueadas

Para sanar esse tipo de problema, vem crescendo um movimento de startups que, com o seu ecossistema voltado às finanças, estão fazendo uma verdadeira reviravolta no establishment econômico. E, para isso, elas estão se unindo com outras startups para criar formas de resolver questões fundamentais para a sobrevivência das healthtechs, que, por consequência, colaboram para a geração de emprego e renda, bem como para o crescimento do País.

Júlia Lázaro, fundadora da Mitfokus

É o caso da Mitfokus Soluções Financeiras, que, hoje com 3 mil clientes, tem em sua bagagem a expertise de fazer com que os médicos não percam dinheiro, e ajuda aqueles que têm pouco ou nenhum investimento a conquistar espaço, oferecendo, além de contabilidade especializada para cada caso, soluções tecnológicas, financeiras e tributárias adequadas a vários tipos de perfis em uma profissão que tem 59 áreas de atuação. Recentemente, ao estabelecer parceria estratégica com uma edtech, ela se propôs a atender médicos recém-formados, a maioria optante pelo Simples Nacional, “um sistema simplificado de tributos que não é tão simples assim”, explica Júlia Lázaro, fundadora da Mitfokus. “Com isso, do dia para a noite, nós vimos nossa carteira dobrar de tamanho e, também, passamos a atuar presencialmente em 23 estados brasileiros”.

Leia Também:  Foco no turismo! MTur avalia criação de rede colaborativa com especialistas em gastronomia

Segundo Júlia, a ideia da união “nasceu” porque uma das principais dores dos médicos que compõem a base de atendidos pela parceira está na tributação, a qual, para ser vantajosa, tem que ser bem administrada. “E, nem um pouco diferente de outras áreas, o impacto fiscal para a medicina tem suas peculiaridades. No Supersimples, por exemplo, muita gente pensa que, para arcar com os impostos, é suficiente aplicar a alíquota da tabela sobre a receita, e pronto. Mas não: é necessário calcular a parcela dedutível para se chegar à porcentagem correta, verificar certinho o faturamento, as despesas com pessoal e pró-labore. Caso contrário, na certa, a pessoa terá prejuízos, os quais, ao longo de uma trajetória profissional, gera um enorme ralo financeiro”.

Sem dúvida, trata-se de um mercado promissor. Impulsionadas por grandes investimentos, as healthtechs mapeadas pela Liga Ventures, em parceria com a PwC Brasil, movimentaram R$ 1,79 bilhão, distribuído em 36 operações de fusões e aquisições, entre 2019 até 2022.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA