BRASÍLIA

FOCO NAS NOTÍCIAS

Coluna de Cinema traz dicas para o final de semana do Dia dos Pais

Publicados

FOCO NAS NOTÍCIAS

Dia dos Pais chegando e o cinema é sempre uma boa pedida de programa para comemorar a data. A primeira dica da Coluna de Cinema é a super produção americana, A Fera.

Na trama, vamos conhecer Nate, um pai recém-viúvo que decide levar as filhas adolescentes para explorar reservas naturais na África do Sul, país onde conheceu sua falecida esposa.

Para Nate, o momento de férias seria um oportunidade de resgatar e se aproximar das filhas; um momento de cura.

Mas assim como nos bons filmes de suspense, a tônica da trama muda totalmente quando a viagem se transformar em uma luta pela sobrevivência. Um leão imenso, que escapou de um grupo de terríveis caçadores, começa a persegui-los.

Um filme intenso, com interpretações brilhantes e um roteiro de tirar o fôlego.

Festival de Gramado

Começa neste final de semana uma edição histórica de um dos festivais mais importantes do Brasil: o Festival de Cinema de Gramado. Clique aqui e confira a programação completa.

Esta edição marca meio século de história do festival, além da volta ao formato presencial. Nesta edição, o evento aposta em filmes inéditos nas mostras competitivas, programação paralela e exibições especiais.

Leia Também:  FNDE prorroga prazo para aditamento de contratos do Fies

Os filmes começam a ser exibidos hoje (12) e vão até a sexta-feira (19) da semana que vem, no tradicional Palácio dos Festivais que, este ano, também volta a receber realizadores, elenco e público presencialmente.

Na noite de sábado, dia 20 de agosto, serão revelados os vencedores dos Kikitos. Ao todo, serão entregues 49 Kikitos.

Entre os destaques desta edição, a estreia no Brasil do novo trabalho da diretora Laís Bodanzky, A Viagem de Pedro.

Após passar por festivais ao redor do mundo, Bodanzky retorna a Gramado (RS) com seu novo projeto após receber 6 Kikitos com o longa Como Nossos Pais, em 2017, e de ser homenageada com o troféu Eduardo Abelin, em 2020.

Com direção e roteiro assinados por Laís, o longa conta com atuações de Bianca Villar e de Cauã Reymond, como D. Pedro I.

TV Brasil

Para finalizar, a Coluna do Cinema indica o filme Um Pouco de Caos, um drama de época na TV Brasil, no domingo (14), às 16h.

Com o passar dos anos, cada vez mais surgem histórias que abordam de maneira ficcional acontecimentos sobre a monarquia na França, seus nobres ou, ainda, os castelos e palacetes e aqueles que lá viveram.

Leia Também:  Escola 1h mais tarde melhora saúde mental e rendimento, diz estudo

Com direção de Alan Rickman, Um Pouco de Caos busca essa abordagem e centraliza a trama na relação entre um casal de paisagistas e o rei que construiu o icônico Palácio de Versalhes: Luis XIV.

Destaque para a atriz Kate Winslet que interpreta Sabine de Barra, mulher que rompeu barreiras no século 18. Imperdível!

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

FOCO NAS NOTÍCIAS

Caminhos da Reportagem apresenta a gastronomia da solidariedade

Publicados

em

Uma gastronomia que transforma a vida das comunidades. Sabores que trazem memórias culturais e ainda promovem o não desperdício dos alimentos. Tudo isso aliado à remuneração justa e capacitação dos trabalhadores. Essa é a proposta do movimento da gastronomia social que o Caminhos da Reportagem vai reapresentar neste domingo (2) às 22h, na TV Brasil.

Apresentado originalmente em 13 de março de 2022, o episódio que será exibido hoje, Gastronomia da Solidariedade, garantiu a segunda colocação no prêmio Sebrae de Jornalismo. O programa ganhou ainda a terceira colocação no mesmo prêmio, com o episódio Negócios de Impacto, exibida na telinha em 14 de novembro de 2021.

Gastronomia da Solidariedade

Para o programa, a equipe foi até a comunidade quilombola Cafundá Astrogilda, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, para conhecer o restaurante que funciona lá, aberto ao público, sob o comando de duas mulheres quilombolas. Certificada em 2014 pela Fundação Cultural Palmares, a comunidade, localizada no Parque Estadual da Pedra Branca, é composta por descendentes da matriarca Astrogilda, que dá nome ao local.

Na comunidade quilombola, moradores lutam para manter as tradições, incluindo a culinária, e buscam a segurança alimentar por meio da utilização das chamadas “plantas alimentícias não convencionais”, como a ora-pro-nóbis e a taioba, que crescem naturalmente no local. 

“A nossa culinária, desde criança, era uma culinária em que a gente consumia, praticamente, o que colhia da natureza”, disse a quilombola Maria Lúcia Mesquita. Além do trabalho no restaurante, junto com a filha Gizele, ela ainda coordena as aulas de cozinha solidária para a comunidade quilombola.

No Quilombo Cafundá Astrogilda, no Rio, Maria Lúcia e Gizele mobilizam a comunidade por meio da culinária para manter viva a tradição dos antepassados.  No Quilombo Cafundá Astrogilda, no Rio, Maria Lúcia e Gizele mobilizam a comunidade por meio da culinária para manter viva a tradição dos antepassados.

No Quilombo Cafundá Astrogilda, no Rio, Maria Lúcia e Gizele mobilizam a comunidade por meio da culinária para manter viva a tradição dos antepassados – Aline Beckstein/Divulgação/TV Brasil

Também no Rio de Janeiro, a equipe da TV Brasil conheceu o refeitório da organização não-governamental Gastromotiva, inaugurado em 2016. No local, eram servidos jantares solidários para a população em situação de rua, mas com o início da pandemia o espaço passou a ser um centro de produção de quentinhas. As refeições, retiradas e distribuídas por projetos parceiros, são feitas por cozinheiros que tiveram aulas gratuitas de gastronomia oferecidas pela ONG, criada pelo chef de cozinha David Hertz.

Um dos programas da Gastromotiva, o Cozinha Solidária, apoia a confecção de quentinhas por organizações parceiras e oferece formação aos profissionais envolvidos na produção. Em 2021, 1,4 milhão de refeições foram distribuídas em Salvador, Rio de Janeiro, Manaus, São Paulo e Curitiba. 

A Lanchonete Lanchonete, associação cultural localizada no bairro da Gamboa, na região chamada de Pequena África, no Rio de Janeiro, faz parte dessa rede. Das mãos das seis mulheres que formam o coletivo Guerreiras da Gamboa, saem semanalmente cerca de 400 pratos feitos numa cozinha “eco afro afetiva”, como descreve Thelma Vilas Boas, diretora da organização. 

“Estamos numa região afrodiaspórica, então vamos celebrar tudo o que pudermos de receitas e alimentos de origem ou tradição africana. É ecológica, porque entendemos que agricultura familiar, compostagem e reciclagem fazem parte do trabalho da cozinha; e afetiva porque convocamos as lembranças dos afetos a partir da alimentação”, explica.

Quando o assunto é capacitação, outra referência é a Escola de Gastronomia Social Ivens Dias Branco, em Fortaleza. Criada a partir de uma parceria da Secretaria Estadual de Cultura e da iniciativa privada, a instituição oferece cursos gratuitos com o objetivo de “estimular o protagonismo cultural e social por meio da gastronomia”.

João Diamante, chef de cozinha, desenvolveu um projeto para promover a transformação social de jovens de comunidade por meio da gastronomia.  João Diamante, chef de cozinha, desenvolveu um projeto para promover a transformação social de jovens de comunidade por meio da gastronomia.

João Diamante, chef de cozinha, desenvolveu um projeto para promover a transformação social de jovens de comunidade por meio da gastronomia – João Diamante/Arquivo pessoal

O Caminhos da Reportagem também conta a história do chef de cozinha João Diamante. Baiano, criado numa comunidade do Complexo do Andaraí, zona norte do Rio de Janeiro, ele fez curso universitário de Gastronomia e ficou entre os melhores alunos da sua turma. O destaque lhe rendeu um estágio em Paris, no restaurante do renomado chef de cozinha francês Alain Ducasse.

De lá para cá, João Diamante vem trabalhando numa série de atividades: no seu próprio restaurante, com apresentação de TV e, especialmente, no projeto social Diamantes na Cozinha. A iniciativa utiliza a gastronomia como instrumento de inclusão profissional e social. 

“Lá nós temos aulas que vão desde plantar, cultivar e colher os alimentos até a finalização do prato, promovendo sempre uma visão crítica de sociedade”, disse Diamante. As aulas, que no momento acontecem de forma online por causa da pandemia, são gratuitas e voltadas para jovens em situação de vulnerabilidade social.

Ficha técnica:

Reportagem: Aline Beckstein

Produção: Aline Beckstein e Renata Cabral

Edição de Texto: Renata Cabral

Edição e finalização: Eric Gusmão

Imagens: Sandro Tebaldi, André Rodrigo Pacheco, Rodolpho Rodrigues e Ronaldo Parra

Operador de áudio:  Eduardo Sá

Auxílio técnico: Cláudio Tavares, Dailton Matos e Yuri Freire 

Apoio à produção: Tiago Bittencourt

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  PF e PRF se únem para combater venda de fertilizantes sem registro
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA