BRASÍLIA

FOCO NAS NOTÍCIAS

Covid: não vacinados aumentam em 50% risco de infecção de imunizados

Publicados

FOCO NAS NOTÍCIAS


source
Estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá
Pixabay

Estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade de Toronto, no Canadá


Mesmo em lugares com altas taxas de cobertura vacinal, em que os riscos estão em patamares baixos para a população imunizada, aqueles não se vacinaram aumentam as chances de contaminação por Covid-19 em até 50% para os demais, mostra estudo de pesquisadores da Escola de Saúde Pública da Universidade de Toronto, no Canadá.

Por outro lado, o contato com pessoas vacinadas diminui as altas chances de infecção para os que não receberam o imunizante em cerca de 22%, atuando como um “amortecedor” para esse grupo, afirmam os cientistas. As conclusões acompanham falas de diversos especialistas que reforçam o papel coletivo no ato de se vacinar.

Publicado nesta segunda-feira na revista científica Canadian Medical Association Journal, o trabalho é resultado da criação de um modelo matemático que estima o impacto na disseminação da doença a partir de diversos cenários que envolvem a interação entre pessoas imunizadas e não imunizadas, em diferentes níveis de cobertura vacinal.

Foram analisadas, por exemplo, as consequências para o número geral de casos naquela população, em cada grupo (vacinados e não vacinados) e no risco de infecção. Os cientistas compararam, então, os resultados em três simulações: uma que os dois grupos interagiam entre si e outras duas em que os membros de cada grupo interagiam apenas com pessoas do seu próprio grupo.

Leia Também:  Empresas poderão acessar benefícios requeridos por empregados

No geral, os resultados do modelo mostraram que, embora baixo, o risco de infecção no grupo de pessoas vacinadas foi desproporcionalmente aumentado quando em contato com pessoas não imunizadas. Porém, para aqueles que não receberam a vacina, estar em contato com pessoas imunizadas reduziu consideravelmente as chances de contaminação, atuando como um “amortecedor para a transmissão”.

“Como esperado, as pessoas vacinadas estavam em risco significativamente menor de infecção por SARS-CoV-2 durante a epidemia; no entanto, quando ocorreu a mistura aleatória com pessoas não vacinadas, elas diminuíram as taxas de ataque (proporção da população contaminada) nas pessoas não vacinadas, servindo como um amortecedor para a transmissão”, escreveram os responsáveis pelo estudo.

Leia Também

Isso porque a taxa de ataque – medida a partir do número de pessoas contaminadas divididas pelo total daquela subpopulação – entre os vacinados foi de apenas 10% quando as interações eram exclusivamente entre si, mas subiu para 15% quando em contato com pessoas não vacinadas – um aumento de 50%. Já entre os não imunizados, a taxa, que era de 79% quando o contato era apenas entre eles, caiu para 62% na interação com pessoas vacinadas – uma queda de cerca de 22%.

Em resumo, enquanto a vacinação ajudou a reduzir o risco da Covid-19 mesmo entre aqueles que decidiram não se imunizar (ou não puderam), o ato de recusar a vacina contribuiu para elevar as chances de adoecimento tanto para os que não receberam a aplicação, como para os que foram vacinados – resultado que comprova o impacto coletivo da imunização.

Leia Também:  Em Brasília, 19h: corres e lutas na "rodô", a rodoviária da capital

 “O risco entre pessoas não vacinadas não pode ser considerado individual, e considerações sobre equidade e justiça para pessoas que optam por ser vacinadas, bem como aquelas que optam por não ser, precisam ser consideradas na formulação de políticas sobre vacinação”, escreveram os pesquisadores.

Apesar de o modelo ser simplificado, ou seja, não envolver todos os eventos mais complexos que ocorrem em uma sociedade, os responsáveis pelo estudo acreditam que os resultados são suficientes para comprovar o risco de não se vacinar mesmo para o resto da população. Para eles, esse é um fator que deve ser levado em consideração na formulação de políticas públicas de saúde.

“Historicamente, os comportamentos que criam riscos à saúde da comunidade e dos indivíduos têm sido objeto de regulação da saúde pública. Isso vale para doenças infecciosas transmissíveis, mas também se aplica a leis de saúde pública que limitam o consumo de cigarros em ambientes fechados e restrições legais à condução sob a influência de álcool e outros intoxicantes”, relembram os cientistas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

FOCO NAS NOTÍCIAS

Governo federal regulamenta o teletrabalho na administração pública

Publicados

em

Por

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (17) que publicará um decreto presidencial estabelecendo a possibilidade de trabalho remoto na administração pública. A mudança está prevista nas normas publicadas pela Secretaria-Geral da Presidência da República que instituem o Programa de Gestão de Desempenho para Pessoal Civil da Administração com trabalho presencial ou remoto.

Segundo o documento, a comprovação de frequência para agentes públicos que concordarem em realizar suas funções de maneira remota passará a ser a entrega periódica de demandas. A possibilidade de trabalho remoto será integral ou parcial, observada a necessidade do funcionário estar disponível para chamadas telefônicas – inclusive para atender ao público externo – durante todo o expediente.

Também há a previsão do aumento de produtividade para aqueles que optarem pelo serviço remoto. O texto cria, ainda, a possibilidade de trabalho a partir do exterior, mas apenas por tempo limitado e em “hipóteses restritas”. O regime de trabalho remoto será estabelecido seguindo os interesses da administração pública. O documento não detalha como a nova norma será implementada.

Leia Também:  Exposição mostra olhar de embaixadores sobre Brasília

“Essa substituição tem foco na administração voltada para resultados e busca maior transparência em relação às atividades desenvolvidas pela administração pública e seus agentes”, diz o comunicado da Secretaria-Geral.

De acordo com o governo federal, a medida terá impactos sobre a produtividade do funcionalismo público, já que institui um modelo de trabalho “voltado para resultados e incremento de eficiência.”

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA