BRASÍLIA

FOCO NAS NOTÍCIAS

Desfiles no Sambódromo de São Paulo atraíram 64 mil pessoas

Publicados

FOCO NAS NOTÍCIAS


Os dois dias de desfiles das escolas de samba do grupo especial atraíram 64 mil pessoas ao Sambódromo do Anhembi, em São Paulo. A estimativa foi divulgada pela São Paulo Turismo (SPTuris).

A SPTuris informou, com base em dados repassados pela Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, que na sexta-feira (22), primeiro dia de desfiles do grupo especial, 29 mil pessoas compareceram ao Sambódromo. Já no sábado (23), os desfiles atraíram 35 mil pessoas.

Além dos desfiles das 14 escolas do grupo especial, diversos blocos carnavalescos animaram as ruas da capital. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), 17 blocos desfilaram entre os dias 21 e 24 de abril. Embora nem todos eles tenham confirmado sua participação no carnaval fora de época paulistano, a CET informou que eles ocorreram “de forma tranquila, sem ocorrências relevantes neste período”.

A festa de carnaval, que deveria ocorrer entre os dias 26 de fevereiro e 1o de março, foi adiada por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Na cidade de São Paulo, a prefeitura determinou que os desfiles de escolas de samba teriam uma nova data para serem realizados: no feriado de Tiradentes. Mas a medida não contemplou os blocos carnavalescos.

Leia Também:  Nova funcionalidade da Carteira Digital de Trânsito permite venda de veículos por meio digital

A prefeitura e representantes dos blocos ficaram então em um impasse, sem definir uma data para a sua realização. O Ministério Público de São Paulo foi acionado e solicitou à prefeitura que envie, até a primeira semana do mês de maio, um cronograma de reuniões com os blocos de rua para acertar uma nova data para o carnaval de rua neste ano de 2022.

A prefeitura tem proposto que eles desfilem em julho. “Os grandes blocos foram muito conscientes e aceitaram o apelo da prefeitura de não desfilarem agora. Estamos tendo pequenos movimentos nos bairros, sem nenhum problema até agora. É um movimento totalmente natural dentro do processo, o que nos dá uma responsabilidade ainda maior, junto com a secretária [municipal] de Cultura, Aline Torres, e do governador, Rodrigo Garcia, de promover uma grande festa de carnaval de rua em 16 e 17 de julho”, disse Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, na abertura dos desfiles no Sambódromo.

Enquanto esse acerto de datas não ocorre, alguns blocos decidiram fazer festas privadas ou até mesmo sair às ruas nesse feriado de Tiradentes. Entre os que desfilaram pelas ruas da capital paulista estava o tradicional Charanga do França. Já o Acadêmicos do Baixo Augusta, um dos maiores blocos de rua de São Paulo e que tradicionalmente passava pela Rua Augusta, este ano decidiu promover um festival no Vale do Anhangabaú.

Leia Também:  Em surto de Covid-19, Xangai vai testar seus 26 milhões de habitantes

Não foi divulgada uma estimativa de quantas pessoas estiveram pulando o carnaval nas ruas da capital.

Apuração

A apuração que definirá a grande campeã do carnaval de São Paulo acontece nesta terça-feira (26). Já na sexta-feira (29), será realizado o Desfile das Campeãs com a participação de oito agremiações: a campeã do Grupo de Acesso II, a primeira e a segunda colocadas do Grupo de Acesso I, além das cinco primeiras do Grupo Especial.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

FOCO NAS NOTÍCIAS

Defensoria Pública denuncia violência de ação policial

Publicados

em

Por

A Defensoria Pública de São Paulo e a organização não-governamental (ONG) Conectas Direitos Humanos encaminharam nesta semana à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) um pedido de proteção para a população em situação de rua e de usuários de drogas que vive na chamada Cracolândia, na capital paulista. As entidades solicitam que a CIDH intervenha junto ao governo estadual paulista para evitar novas ações policiais violentas na Cracolândia, como a que está se repetindo hoje (19).

O pedido cautelar ocorre após a morte de Raimundo Nonato Fonseca Junior, de 32 anos, que foi baleado logo após uma operação policial  realizada no dia 11 de maio, na Praça Princesa Isabel, na região central da capital. Segundo os policiais, a ação foi deflagrada para combater o tráfico de drogas, mas especialistas e movimentos sociais que atuam na região criticaram a operação, dizendo que ela não resolve o problema e só atende a interesses econômicos. “Esse tipo de repressão está muito vinculado com uma política higienista e de especulação imobiliária. Esse é um território que está em constante disputa”, disse Aluizio Marino, pesquisador do Lab Cidade, em entrevista à Agência Brasil.

O documento encaminhado à Comissão Interamericana pede que o Estado proteja e assegure os direitos dessa população mais vulnerável que vem sendo deslocada de forma forçada pelo poder público. “A Cracolândia é palco de diversas ações truculentas de segurança com o objetivo central de expulsar dali os seus frequentadores habituais, com destaque para pessoas que fazem uso abusivo de drogas e/ou vivem em situação de rua ou em moradias precárias e, portanto, em extrema vulnerabilidade”, dizem as entidades no documento.

Leia Também:  Indígena brasileiro vence concurso de fotografia sobre crise climática da OMPI

Esse pedido é um complemento a uma outra solicitação feita no ano passado pelas duas instituições e em que denunciaram o despejo de quase 400 famílias que viviam na antiga região da Cracolândia, na Luz, em São Paulo. “A sistemática violação de direitos das pessoas em situação de rua, o agravamento de violência pela atuação da Guarda Civil Metropolitana e das forças policiais e as remoções e despejos forçados realizados em plena pandemia são todas partes das tentativas reiteradas, forçadas e ilegais, de expulsão das pessoas tidas como ‘indesejáveis’ do território da ‘Cracolândia’, afirmam os signatários do documento. O documento levado à CIDH contém fotos, vídeos e relatos que foram colhidos pela Defensoria no local.

Por ser signatário da Convenção Americana de Direitos Humanos, o Brasil é sujeito à jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos. A Comissão Interamericana é seu órgão processante e é responsável por analisar denúncias encaminhadas e determinar eventuais medidas cautelares de urgências.

Nova operação policial

Na semana passada, o Ministério Público de São Paulo instaurou um inquérito para apurar as ações policiais violentas na Cracolândia. Mas, no final da tarde de hoje (19), uma nova operação policial foi deflagrada na região central da capital paulista. Segundo a Polícia Civil, se trata de mais uma etapa da Operação Caronte e da Operação Sufoco para combater o tráfico de drogas. O órgão informou que o objetivo era cumprir 32 mandados de prisão, mas até este momento não foi informado quantas pessoas foram presas. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram um forte aparato policial e dezenas de pessoas sentadas em frente a policiais.

Leia Também:  Procon-SP pede para empresa explicar esgotamento de ingressos de shows

Por anos, a Cracolândia era associada a uma aglomeração de pessoas em situação de rua e usuários de drogas que se concentravam na região da Praça Julio Prestes, na Luz. Em março deste ano, eles foram deslocados para a Praça Princesa Isabel, a cerca de 500 metros de distância da Praça Julio Prestes. Mas com a grande operação policial realizada nesta semana na Praça Princesa Isabel, as centenas de pessoas que formam a Cracolândia se dispersaram pelas ruas da região central da capital paulista. Policiais e guardas civis metropolitanos têm acompanhado os grupos de pessoas em situação de rua e buscam dispersá-los, fazendo com que as aglomerações estejam em constante deslocamento pelas ruas do centro.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA