BRASÍLIA

FOCO NAS NOTÍCIAS

Rio de Janeiro confirma transmissão local da varíola dos macacos

Publicados

FOCO NAS NOTÍCIAS

source
Vírus da 'varíola dos macacos'
Foto: Centro de Controle de Doenças/Divulgação – 20/05/2022

Vírus da ‘varíola dos macacos’


O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Rodrigo Prado, confirmou nesta sexta-feira que já há transmissão local de v aríola dos macacos na cidade. Os dois doentes, confirmados na última quinta-feira, não têm histórico de viagem internacional ou contato próximo com viajante. São dois homens, de 25 e 30 anos, residentes da cidade do Rio.

Ambos estão em isolamento domiciliar, sendo monitorados diariamente pela Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) e assistidos pelo Instituto Nacional de Infectologia (INI) da Fiocruz.

Com os dois novos casos, o município tem três casos confirmados da doença. Segundo Rodrigo Prado, neste momento a cidade não vive um surto de varíola dos macacos, nem há necessidade de pânico da população:

“São três casos isolados. Não podemos considerar um surto. É uma doença, em que a transmissão não é como a gripe ou a Covid. É preciso mais contato. Trata-se de uma doença nova, que a gente está monitorando, mas não é preciso ter pânico nesse momento. O importante é a pessoa procurar um médico se tiver tem algum sinal.”

Leia Também:  Governo Federal entrega mais de 2,6 mil títulos de terra a agricultores do MS

O secretário já esperava que a doença chegasse à cidade. “Pela globalização do mundo, é dificil ter uma doença num lugar que não chegue no outro. Era esperado que os casos chegassem aqui no Rio.”

De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, todos apresentam boa evolução clínica, seguem em isolamento domiciliar e em monitoramento diário, assim como os seus contatos próximos que não apresentaram sintomas.

A capital foi a primeira do estado a ter um diagnóstico positivo para a doença e confirmou o caso no dia 14. O paciente é um homem de 38 anos residente em Londres, que chegou ao Brasil em 11 de junho e procurou atendimento médico no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz) no dia seguinte.

Na segunda-feira, dia 20, o Ministério da Saúde confirmou o segundo caso de varíola dos macacos no Estado do Rio de Janeiro. Trata-se de um homem de 25 anos que vive em Maricá, na Região dos Lagos. Ele está em isolamento. Agora, são quatro no estado.

O Ministério da Saúde está avaliando mudar o conceito de transmissão local. Pela nova metodologia, pessoas que tiveram contato com doentes que voltaram do exterior deverão ser enquadradas como transmissão local.


A varíola dos macacos é transmitida principalmente por contato próximo com alguém infectado ou com lesões na pele. Ou seja, através de beijo, abraço, lesões na pele ou secreções respiratórias. Pode haver contaminação ainda por contato com materiais infectados, tais como roupas pessoais ou de cama usadas pelo doente. Por enquanto, não há notícia de transmissão desse vírus pelo ar, como ocorre com a Covid-19.

Os principais sintomas da doença são: dor de cabeça, dores musculares, febre e calafrios, feridas na pele, gânglios linfáticos inflamados e cansaço.

Apesar de a doença ter sido identificada pela primeira vez em macacos, o atual surto, de acordo com autoridades de saúde, não tem relação com os animais.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

FOCO NAS NOTÍCIAS

Monkeypox: EUA alertam que crianças têm mais risco para casos graves

Publicados

em

Por

Um dos sintomas da varíola dos macacos
OMS/Divulgação

Um dos sintomas da varíola dos macacos

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) alertam para o risco de quadros mais graves da  varíola dos macacos em pessoas com problemas de pele, como eczema, imunossuprimidas e crianças menores de 8 anos.

Segundo o comunicado do CDC, embora consideradas raras, complicações da infecção pelo vírus monkeypox podem envolver quadros de encefalite – inflamação no cérebro que provocou os óbitos registrados na Espanha e na Índia –, pneumonia, sepse (infecção generalizada), entre outros.

Segundo o comunicado, existem evidências de que “a doença é mais provável de provocar casos graves em crianças com menos de 8 anos de idade. Além disso, qualquer pessoa com condições imunocomprometidas ou certas condições de pele, como eczema, corre o risco de doença grave da varíola dos macacos”.

Entre as doenças de pele, o CDC acrescenta ainda dermatite tópica, queimaduras, impetigo, varicela-zoster (vírus causador da catapora e da herpes-zóster), herpes simples, acne grave, psoríase ou doença de Darier. Isso porque a varíola dos macacos causa lesões na pele, chamadas de pústulas, o que prejudica a saúde da região.

Para pessoas que já têm problemas na região, e portanto, a barreira cutânea é danificada, isso se torna um agravante para a contaminação pelo vírus, que acontece por contato de pele, e para uma piora no desenvolvimento das erupções. É o que explica o dermatologista e professor da Universidade Northwestern, nos EUA, Peter Lio, ao site The Healthy.

“Não há necessidade de pânico, é importante lembrar que a varíola geralmente é leve e autolimitada. Mas se você faz parte de um grupo de alto risco e tem histórico de eczema ou dermatite atópica e/ou pessoas com eczema em sua casa, é importante tomar precauções para evitar a propagação da varíola dos macacos”, orienta o especialista.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA