BRASÍLIA

SAÚDE E BEM ESTAR

FOCO NA SAÚDE! Ministério da Saúde lança campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti

Publicados

SAÚDE E BEM ESTAR

Postado por Silvana Scórsin Para mobilizar a população e os gestores locais contra a proliferação de focos do Aedes aegypti, o Ministério da Saúde lançou, nesta terça-feira (24), campanha de combate ao mosquito. Com o conceito “Combater o mosquito é com você, comigo, com todo mundo”, a campanha busca conscientizar sobre os perigos do inseto e motivar os brasileiros para o combate aos criadouros. A ação é dividida em duas fases: a primeira alerta sobre a importância do cuidado aos locais que podem acumular água, e a segunda informa os sintomas e as formas corretas de tratar a dengue, a Zika e a chikungunya. A campanha será veiculada na TV, rádio, internet e mídia exterior. As peças da campanha valorizam a figura do agente de saúde, que cumpre um papel importante, informando e orientando a população a combater corretamente os criadouros do mosquito. As áreas urbanas concentram a maior carga das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, devido à alta densidade demográfica e à dinâmica populacional. As ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, realizadas pelo Ministério da Saúde em conjunto com estados e municípios, são permanentes e tratadas como prioridade pelo Governo Federal. Durante o evento de lançamento da campanha, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, destacou o papel importante da ação para informar a população sobre como se proteger do mosquito. Segundo ele, combater os criadouros é fundamental. “O mosquito é um vilão, mas o maior vilão é o cidadão que deixa, por exemplo, a água ficar empoçada. Por isso, essa campanha e o trabalho dos agentes in loco são ferramentas fundamentais para conscientizarmos a população sobre a importância do combate ao mosquito”, afirmou. Segundo o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, a pasta está atuando em diversas frentes para combater a proliferação do mosquito. “O Ministério da Saúde já está trabalhando para a próxima sazonalidade. Já está normalizado o abastecimento de inseticidas, estamos atualizando os manuais de manejo clínico, e, com esta campanha, vamos conscientizar uma parcela ainda maior da população sobre a importância de combater o Aedes aegypti dentro de casa”, ressaltou. DICAS DE PREVENÇÃO Em menos de 15 minutos é possível fazer uma varredura em casa, realizando toda a higiene e limpeza necessárias para evitar a proliferação do mosquito. Para isso, é preciso eliminar os recipientes com água parada – ambiente propício para procriação do Aedes aegypti. É importante lembrar de tampar os tonéis e caixas d’água, manter calhas sempre limpas, deixar garrafas e recipientes com a boca para baixo, limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia, manter lixeiras bem tampadas e ralos limpos e com aplicação de tela, além de manter lonas para materiais de construção e piscinas sempre esticadas para não acumular água. SINTOMAS Os sintomas de dengue, chikungunya ou Zika são semelhantes. Eles incluem febre de início abrupto acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele, manchas vermelhas pelo corpo, além de náuseas, vômitos e dores abdominais. A orientação do Ministério da Saúde é para que a população procure a unidade ou serviço de saúde mais próximo de sua residência assim que surgirem os primeiros sintomas. DADOS DAS DOENÇAS Em 2020, até 14 de novembro, foram registrados 971.136 casos de dengue, com taxa de incidência de 462,1 casos por 100 mil habitantes no país. Nesse período, o Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso apresentaram as maiores taxas de incidência de casos de dengue no Brasil em 2020. Neste período foram confirmados 528 óbitos por dengue, sendo que o Paraná, São Paulo, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul concentravam 76,8% dos casos (401). Os dados ainda estão em processo de atualização e digitação no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), podendo sofrer alterações. Em 2020, até 14 de novembro, foram notificados 78.808 casos de chikungunya, com taxa de incidência de 37,5 casos por 100 mil habitantes no país. Os estados da Bahia e do Espírito Santo concentravam 67,4% dos casos (53.154). Foram confirmados 25 óbitos por chikungunya nesse período. Em 2020, até 24 de outubro, foram notificados 7.006 casos de Zika, com taxa de incidência 3,3 casos por 100 mil habitantes no país. Os estados da Bahia e Rio Grande do Norte concentravam 45,8% dos casos de Zika (3.210). PRIMEIRAS AÇÕES As primeiras ações da campanha de combate ao mosquito ocorrem já na manhã desta terça-feira. No total, 50 caminhonetes, um micro-ônibus e um carro de som saíram da sede do Ministério da Saúde e seguiram em carreata até Sobradinho, Ceilândia e Vila Planalto. Foram distribuídos materiais de divulgação e realizadas demonstrações do fumacê e de armadilhas para mosquitos com a equipe de pulverização. VIGIARBO A pasta conta ainda com estratégias integradas para vigilância, prevenção e controle das arboviroses no Brasil. O projeto Vigiarbo, que reúne iniciativas para monitoramento das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya) e Haemagogus (febre amarela). Até o momento, são sete subprojetos em andamento: mosquitos infectados pela bactéria Wolbachia; mapeamento de áreas de risco de doença transmitidas pelo Aedes aegypti (Arboalvo); infecção de mosquitos por radiação para tornar o Aedes aegypti estéril (Projeto Inseto Estéril); rede de pesquisas para avaliação da doença chikungunya no Brasil (Replick); controle de vetores por meio das redes sociais (Observatório Dengue); e ações de controle de doenças e mobilização da população (Ecobiosocial). Outra estratégia que integra o Vigiarbo, chamada SISSGEO, consegue antecipar a chegada do vírus da febre amarela e deverá ser compartilhada com os países da América do Sul, com apoio da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Trata-se de um aplicativo móvel, já disponível nas lojas Google Play e Apple Store, que permite que trabalhadores dos parques ecológicos, profissionais de saúde e a população em geral, relatem quando verem uma epizootia de primatas não humanos – alerta da circulação do vírus da febre amarela. Assim, ao ver um macaco morto, o cidadão pode tirar uma foto e enviar pelo próprio aplicativo. O celular captura a área geográfica que o macaco foi encontrado e permite mapear as regiões de abrangência a partir da base de vegetação do IBGE. Assim, avaliando os corredores ecológicos, consegue-se prever as próximas áreas de transmissão do vírus da febre amarela e intensificar a vacinação contra o vírus da doença. Os macacos são importantes indicadores da presença do vírus. A região sul do país participou do projeto-piloto e, agora, a ideia é expandir para todo o Brasil. Fonte: Henrique Jasper – Ministério da Saúde

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  FOCO NA SAÚDE! Janeiro Branco: sinal de alerta para a saúde mental
Propaganda

SAÚDE E BEM ESTAR

FOCO NA SAÚDE – Doenças raras: uma realidade para mais de 13 milhões de brasileiros

Publicados

em

Pacientes sofrem com falta de pesquisas e Centros de Referência

Uma doença rara é definida como aquela que afete menos do que 2 mil pessoas. É um termo genérico que abrange (entre outras coisas) formas raras de doenças neurológicas, doenças metabólicas, dificuldades intelectuais, certos canceres, distúrbios reumatológicos, epilepsias complexas, deficiências imunológicas e doenças auto inflamatórias

Essas doenças geralmente são crônicas, progressivas, degenerativas e muitas vezes com risco de morte. Não existe uma cura eficaz existente, mas há medicamentos para tratar sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

No Brasil, mais de 7 mil doenças raras já foram identificadas. Elas acometem cerca de 13 milhões de pessoas, em sua grande maioria jovens e crianças, que apresentam necessidades assistenciais diversas, além de cuidados contínuos de equipes multiprofissionais.

Política Nacional

Mesmo após a efetivação da Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras (PNAIPDR), em vigor desde 2014, os pacientes ainda carecem de serviços referenciais para diagnóstico dessas doenças.

Leia Também:  FOCO NA SAÚDE - Mercado de óleos essenciais deve crescer rapidamente em todo o mundo

“O acesso ao diagnóstico, o acompanhamento e o monitoramento desses pacientes, seus tratamentos e reabilitações só ocorrem, na maioria dos casos, de maneira tardia e, geralmente, no âmbito da saúde pública, onde o acesso a especialistas, exames e terapias é demorado”, explica a Dra. Luciana Rodriguez, especialista em Saúde Suplementar.

Escassez de centros de referência e necessidade de investimentos em pesquisas 

Em todo o Brasil, foram habilitados até agora somente 17 serviços de referência em doenças raras, e ainda há muito o que se avançar.

O nutrólogo Dr. Matheus Caputo está, desde 2016, à frente do HDia (Centro de Atendimento Médico Hospitalar), em Brasília. A instituição vem se dedicando ao acolhimento, diagnóstico preciso e à provisão da sobrevida (tratamento) de pacientes com doenças raras.

De acordo com ele, somente por meio de pesquisas haverá avanços no cuidado desses pacientes. “É preciso trabalhar com um programa efetivo, evidenciado cientificamente, que reúna a experiência dos especialistas em toda a rede para identificar as melhores orientações sobre tratamentos existentes ou desenvolver novas orientações”, explica o médico.

Leia Também:  FOCO NA SAÚDE! ANS relembra medidas que foram destaque no ano para o setor de planos de saúde.

 

Fonte: Tábita Marinho/ egnews.com

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA