BRASÍLIA

SAÚDE E BEM ESTAR

Foco na saúde! Saúde atualiza protocolo clínico para tratamento da Esclerose Múltipla

Publicados

SAÚDE E BEM ESTAR

Foto: divulgação/hospitalanchieta.com Postado por Silvana Scórsin Pacientes de Esclerose Múltipla no Brasil já contam com Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para a doença atualizado. Após recomendação favorável da Comissão de Incorporações de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), o documento foi revisado para oferecer pelo SUS tratamento baseado na melhor e mais atualizada evidência disponível. A iniciativa levou em conta a incorporação, em dezembro de 2019, do medicamento fumarato de dimetila para tratamento de primeira linha da doença. A atualização foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (17/2). O protocolo, agora revisado conforme a oferta da medicação pelo SUS, apresenta critérios de diagnóstico e classificação da esclerose múltipla e condutas terapêuticas, incluindo o tratamento não medicamentoso e o medicamentoso preconizado em cada linha terapêutica. Para atualização do chamado PCDT, o Ministério da Saúde realizou consulta pública sobre o tema entre outubro e novembro de 2020. Toda a sociedade pôde participar, incluindo relatos de experiências e especialistas. As sugestões foram analisadas e receberam recomendação favorável da Conitec. O objetivo dos protocolos clínicos é garantir o melhor cuidado em saúde diante do contexto brasileiro e dos recursos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), além de orientar profissionais de saúde, gestores de saúde e pacientes sobre o diagnóstico e tratamento. Os protocolos clínicos estabelecem critérios para o diagnóstico de uma doença ou agravo à saúde; o tratamento preconizado, com os medicamentos e demais produtos apropriados; as posologias recomendadas; os mecanismos de controle clínico; e o acompanhamento e a verificação dos resultados terapêuticos a serem seguidos pelos gestores do SUS. A periodicidade da revisão é importante para atualizar o documento com as evidências científicas mais modernas, visando garantir tratamentos no SUS baseados em evidências atuais. ESCLEROSE MÚLTIPLA A esclerose múltipla é uma doença que atinge principalmente adultos jovens, na faixa etária entre 20 e 50 anos, e compromete o sistema nervoso central. A doença é autoimune e caracteriza-se pela desmielinização da bainha de mielina, envoltório das células nervosas (axônios) por onde passam os impulsos elétricos que controlam as funções do organismo. Esse dano gera interferências nessa transmissão e diversas consequências para os pacientes, como alterações na visão, no equilíbrio e na capacidade muscular. A forma remitente-recorrente é a mais comum e evolui em surtos, cujos sintomas ocorrem de maneira súbita com posterior recuperação parcial ou total. A prevalência média da doença no Brasil é de 8,69 para cada 100 mil habitantes. No mundo, estima-se que entre 2 e 2,5 milhões de pessoas convivam com a Esclerose Múltipla. Fonte: Angélica Mengue –/Ministério da Saúde

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  FOCO ESPECIAL! Artigo Biomonitoramento: possibilidades e perigos
Propaganda

SAÚDE E BEM ESTAR

FOCO NA SAÚDE – Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal

MAIO ROXO ALERTA PARA DOENÇA DE CROHN E COLITE ULCERATIVA

Publicados

em

Dia 19 de maio é o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal, uma data criada com objetivo de alertar para sintomas e formas de tratamento da doença de Crohn e RetoColite Ulcerativa, conhecidas como Doenças Inflamatórias Intestinais (DIIs). As duas patologias estão associadas a um padrão alimentar mais industrializado, estresse crônico e outras situações que podem funcionar como gatilhos diante de uma predisposição genética para as doenças inflamatórias intestinais

 

“São doenças autoimunes, ou seja, onde há uma desregulação do sistema imunológico com uma resposta exagerada contra partes do próprio corpo, neste caso, os intestinos. Esta resposta é deflagrada por uma série de fatores presentes na chamada ‘dieta ocidental’ que tem excesso de produtos industrializados, sal, açúcar, gorduras e proteínas animais. Por isso, nos países industrializados, a incidência vem aumentando significativamente”, sinaliza o neurologista Italo Almeida, especialista em Medicina Integrativa.

Italo Almeida_Diretor Técnico da Neuro Integrada_Crédito Divulgação

 

No mundo, doenças inflamatórias intestinais podem atingir 5 milhões de pessoas, de acordo com estimativas da Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP). No Brasil, a incidência das DIIs tem aumentado em torno de 15% ao ano. Dores abdominais, principalmente cólicas, diarreia crônica, fadiga, falta de apetite e perda de peso são alguns dos sintomas de alerta da campanha Maio Roxo.

 

Um dos objetivos da iniciativa, realizada pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), é contribuir para o diagnóstico mais precoce dessas enfermidades através da difusão de conhecimento entre os profissionais de saúde e da orientação e do esclarecimento do público leigo. “O primeiro passo deve ser identificar estes fatores desencadeantes e eliminá-los. Mudanças nutricionais podem trazer melhoras em até 70% dos casos. Pode haver remissão clínica em 93% do tempo em pacientes praticando o semivegetarianismo e em apenas 33% do tempo em onívoros. Vegetarianos tem um risco menor de desenvolver DII”, destaca o diretor técnico da Neuro Integrada.

Leia Também:  Foco na saúde! Hospitais do DF farão mapeamento genético em mulheres com risco de câncer de mama

 

Tabagismo e uso frequente de bebidas alcoólicas também aumentam o risco para doenças inflamatórias intestinais. “Nos locais onde o consumo de fibras vegetais e ômega 3 é alto, a incidência é muito mais baixa”, acrescenta. O especialista explica que nossa barreira intestinal é formada por células bem juntas (tight junctions) para não deixar penetrar substâncias estranhas ou mal digeridas. Porém, muitos fatores podem provocar a quebra dessa barreira, entre eles, uso excessivo de antibióticos, corticoides, anticoncepcionais, leite animal e glúten, aumentando a permeabilidade e permitindo a entrada de substâncias que não deveriam ter permissão para entrar no organismo. “O sistema imunológico, então, ataca essas substâncias estranhas (antígenos) e também, células do corpo que tenham estrutura semelhante. Por isso, chamamos autoimune, porque o corpo reconhece como inimigas células do próprio corpo e as ataca”, explica Almeida.

 

Baixos níveis de vitamina D também aumentam os riscos de doenças inflamatórias intestinais. “A vitamina D é um modulador da resposta imunológica e, portanto, seu déficit está ligado a todas as doenças autoimunes.  Um nível de vitamina D acima de 40ng/ml reduz o risco da doença e de internamento nos portadores. O uso da cúrcuma também pode trazer uma melhora por reduzir a inflamação”, recomenda o especialista que pauta sua atuação médica na naturopatia, poder de cura dos alimentos.

Leia Também:  FOCO ESPECIAL! Artigo Biomonitoramento: possibilidades e perigos

Nutrição previne e cura

Acompanhamento nutricional é crucial na prevenção e tratamento de doenças inflamatórias intestinais porque é comum que o paciente desenvolva uma desnutrição por falta de absorção de nutrientes. “A RetoColite Ulcerativa (RCU) e Doença de Crohn (DC) podem provocar um déficit de absorção significativa de várias vitaminas e minerais que necessitam ser repostas como a vitamina A, B12, o zinco, magnésio”, alerta o médico Italo Almeida.

Outro diagnóstico importante é o da Síndrome do Intestino Irritável (SII), que deve ser tratado, mesmo sendo um diagnóstico menos grave, pois não costuma apresentar sangramentos e nem redução da absorção de vitaminas e minerais. É um diagnóstico muito relacionado ao nível de estresse mas, assim como as DIIs, provoca alterações significativas na microbiota intestinal, contribuindo para o predomínio de bactérias ruins que aumentam a inflamação”, destaca o especialista.

Mudar hábitos e iniciar o tratamento o quanto antes faz toda a diferença para evitar complicações a longo prazo. Lesões progressivas no trato intestinal podem provocar obstrução, perfuração e até sangramentos. “Uma forma integrada de tratar, associada à alopatia convencional, pode trazer muitos benefícios, reduzindo o número de internamentos e o uso de medicações e, melhorando a qualidade de vida dos pacientes”, assegura o médico Italo Almeida, que contabiliza 37 anos de formado – 18 deles dedicados à Medicina Natural.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

FOCO NAS NOTÍCIAS

FOCO ATUALIDADES

FOCO CIDADES

EMPREENDEDORISMO

CULTURA E EVENTOS

SAÚDE E BEM ESTAR

MAIS LIDAS DA SEMANA